Filme de INLINE também é cinema!

Quando tive acesso a esse filme logo pensei nesse post!

Dei o play meio despretensioso e com um certo receio, afinal, o filme tem 10 mim e me pareceu ser muito tempo para algo que está no youtube. Mas o fato é que na hora que começou a rolar eu não consegui desgrudar da tela. A montagem e edição me prenderam!

A brincadeira com o ritmo, a música casada com as imagens.. tudo muito perfeito. Em certas horas dá para se perguntar o que realmente esses funcionários estão fazendo, se é vidro ou música. Parece uma grande orquestra durante uma produção em série de garrafas.

Esse documentário é do diretor Bert Haanstra e foi ganhador do oscar em 1958. Vale prestar atenção nas cores do filme, são muito fortes e vivas, e isso é graças as filmagens em Technicolor.
.

(Diretor Bert Haanstra)

[video]http://www.youtube.com/watch?v=ymMPZmPbvqQ[/video]

.

Esse filme me fez pensar um pouco.

No meio do inline temos tantos videomakers, tantas edições, ritmos, cores, músicas. E assim que vi esse filme abri minha mente para outros tipos de documentários, sem aquela ideia clássica que temos na nossa mente, de uma câmera parada e um cara falando ou uma imagem coberta por um áudio narrado.

Os filmes de inline que fazemos são, antes de tudo, documentários! Fazemos cinema a todo tempo. E porque não chamar assim?! Cinema! Essa é uma das maiores competências do inline, uma de nossas maiores características.

Fala ai videomaker, já pensou em inscrever seus filmes de inline em algum festival?!

Tá perdendo tempo heim!
.

Category: Arte/Design, Música
Tag: 1958, bert, documentario, filme, glas, haanstra